TEMPERAMENTO E COMPORTAMENTO

 

Deve apresentar uma impressão de determinação, força e atividade. O temperamento deve ser vivaz, destemido, fiel, digno de confiança, corajoso, de aparência feroz mas dotado de natureza afetuosa.

Os criadores no passado fizeram dele um animal cruel e sem piedade, pronto para cravar os dentes em qualquer coisa que se movesse ante aos seus olhos. Mas os criadores posteriores, no curso de algumas décadas, o converteu num cão como todos os demais, inclusive mais doce e equilibrado que a maior parte dos exemplares de guarda e de defesa. Atualmente é um cão sumamente fiel, é fleumático, gosta de brincar com crianças, dotado de um enorme auto controle e um bom sentido de humor, que mostra a todos os seres humanos um afeto profundo e uma grande indulgência. Isto é o que asseguram os cinófilos que tem estudado a raça. Tem aparência carrancuda, um aspecto intimidatório e incorruptível, mas quando o conhecemos mais profundamente verificamos que existe um coração dourado escondido sob aquela massa de músculos.

É um dos cães mais tranqüilos e preguiçosos.

Para fazer com que um Bulldog perca a paciência é preciso chegar a extremos incríveis.

Este extremo pode ocasionar um ato em defesa dos seus, fulminantemente poderá se lançar sobre o agressor. Também, em razão do passado, não convém que seja adestrado para o ataque, o instinto de defesa ele já trás consigo. De qualquer forma não fará falta que deixe de receber educação de defesa, porque o efeito promovido pelo seu aspecto feroz é suficiente para fazer desistir a qualquer mal intencionado que se aventure, sem permissão no seu território.

Com respeito às relações com os outros cães, as opiniões dos conhecedores não coincidem : Alguns juram que se trata de um cão amigável, sempre disposto a simpatizar com todos os colegas que encontra, e há quem o tacha de individualista e altivo com os demais. As cadelas são excelentes mães e adotam com facilidades e amor maternal os filhotes de outras fêmeas. Os filhotes já demonstram asseio desde pequenos. É um cão que desenvolve hábitos de higiene, preferindo colocar os seus dejetos sempre no mesmo local, o que os torna muito próprios para apartamentos.

Latem pouco mas, quando algo foge à rotina (principalmente à noite ) dão o alarme evidenciando seu passado como cão de guarda.

Efetivamente não é o tipo de cão subserviente, admira os humanos, tem prazer pela companhia do dono e se relaciona com ternura, mas mantém uma independência. Nas brincadeiras são fanfarrões e truculentos e, diria sem medo de errar: “cafajestes”.

Se tentar submetê-lo às brincadeiras e jogos que ele não aprecia, ele arranjará um jeito de tornar a brincadeira cansativa para quem a propôs, revertendo o quadro a seu favor. É um excelente companheiro, ideal para todos aqueles que amem a originalidade e a beleza funcional, único critério para julgar em cinofilia a beleza de um cão.

Com amor tudo se consegue de um Bulldog mas, é imprescindível que se estabeleça, logo desde os primeiros dias, uma relação coerente, sem altos e baixos, e a margem de qualquer debilidade ou comportamento brusco. Se não for assim, o inteligentíssimo Bulldog muito cedo qualificaria a seu dono como um moleirão, ao que se pode amar, mas não obedecer. Sem dúvidas o que mais chama a atenção nesta raça é o seu desmesurado amor pelas crianças. Junto a elas, até a sua expressão facial muda para dar lugar a um gesto de tranquilizadora bondade. Na relação entre os seres humanos (sejam adultos ou crianças) e os Bulldogs, os Bulldogs jamais os coloca em situação de perigo e chega a ser considerada como uma raça esplêndida neste aspecto; para os que tem um Bulldog ou para os que já tiveram este cão em suas vidas, existe uma opinião muito sincera e homogênea de todos a este respeito, de que: “UMA VIDA NUNCA SERÁ PLENA SE NÃO SE TEVE UM BULLDOG”

SUA APARÊNCIA

 

Ele é uma figura ímpar, uma verdadeira e divertida caricatura de cachorro. Mesmo seus criadores mais fiéis concordam: “o Buldogue Inglês é belíssimo em seu aspecto horrendo”, . Mas saiba que os detalhes deste físico tão peculiar têm razão de ser e a resposta está no passado, quando a raça lutava contra touros.

 

SUA ORIGEM

 

A origem do Bulldogue Inglês é antiga e seu nome remete ao século 18, quando a raça era usada nos combates com touros (bull baitings). Naquele tempo, os buldogues eram diferentes do padrão atual, mais parecidos com o boxer (mais altos, musculosos e ágeis, com membros mais retos e longos). No século 19, com a proibição dos combates, o buldogue foi se transformando até chegar ao cão como conhecemos hoje.

PADRÃO OFICIAL:

 

APARÊNCIA GERAL
É um cão de pelagem lisa, atarracado, baixo, largo, possante e compacto. Cabeça maciça, pesada em relação ao tamanho do cão. Nenhuma característica deve se destacar com relação às demais, a ponto de prejudicar a harmonia geral ou dar ao cão uma aparência deformada ou ainda interferir na sua movimentação. A face é curta, o focinho largo, rombudo e inclinado para cima. O corpo é curto, com suas partes componentes bem unidas; os membros são fortes, bem musculados, atléticos. O quarto traseiro é alto e forte, mas um pouco mais leve que o poderoso dianteiro. A fêmea não é tão impressionante nem tão bem desenvolvida quanto o macho.

 

CARACTERÍSTICAS
Transmite uma impressão de determinação, força e atividade.

 

TEMPERAMENTO
Vivaz, destemido, fiel, digno de confiança, corajoso, aspecto feroz mas dotado de natureza afetuosa.

 

CABEÇA E CRÂNIO
Crânio grande em circunferência, cujo perímetro (medido na frente das orelhas) deve ser aproximadamente igual à altura do cão na cernelha. Visto de frente, parece ser muito alto da comissura do maxilar inferior ao topo do crânio, é igualmente largo e quadrado. As bochechas são bem arredondadas e se estendem, dos lados, além dos olhos. Vista de perfil, a cabeça parece muito alta e curta do occipital à extremidade do nariz. A testa é chata; a pele da testa e da cabeça é solta e enrugada. A testa não é proeminente e não sobrepassa a face. As projeções dos ossos frontais são proeminentes, largas, quadradas e altas; presente uma depressão larga e profunda entre os olhos. Do “stop” até o meio do crânio segue um sulco largo e profundo, que pode ainda ser percebido até o topo do crânio. A face, da frente dos zigomas até o nariz, é curta e apresenta rugas na pele . O focinho é curto, largo, arrebitado e muito profundo da comissura dos olhos ao canto da boca. Nariz e narinas grandes, largas e de cor preta – jamais de cor fígado, vermelho ou marrom. A ponta do nariz é projetada em direção aos olhos. A distância da comissura interna dos olhos (ou do centro do “stop”, entre os olhos) á extremidade do nariz, excede à distância da extremidade do nariz ao bordo do lábio inferior. As narinas são grandes e largas e apresentam entre elas uma linha reta vertical, bem definida. Os lábios superiores são grossos, largos, pendentes e bem descidos, cobrindo inteiramente os lados do maxilar inferior – mas não a sua frente. Na frente os lábios superior e inferior se encontram , cobrindo inteiramente os dentes. As mandíbulas são largas, maciças e quadradas. A mandíbula inferior projeta-se consideravelmente à frente da mandíbula superior e se curva para cima. Visto de frente, os contornos da face devem ser eqüidistantes, de cada lado de uma linha mediana imaginária.

Primeiro exemplo é o correto

 

OLHOS
Visto de frente, os olhos são colocados baixos no crânio, bem afastados das orelhas. Os olhos e o stop situam-se sobre uma mesma linha reta perpendicular ao sulco frontal. São bem afastados mas suas comissuras externas permanecem no interior do contorno das bochechas. Tem a forma redonda, de tamanho moderado, nem profundos nem proeminentes; são da cor bem escura – quase preta – e não deixam ver o branco (esclerótica) quando voltados diretamente para a frente.

 

ORELHAS
Inseridas alto, elas são pequenas e finas, ou seja, o bordo anterior de cada orelha, visto de frente, funde-se com o contorno do crânio em seu ângulo superior, de tal forma que as orelhas são afastadas o máximo possível e são posicionadas tão alto e tão distante dos olhos quanto possível. Orelhas em rosa são corretas, isto é, dobradas para o interior em suas partes posteriores, os bordos ântero – superiores recurvando-se para fora e para trás, descobrindo parcialmente o interior do conduto externo das orelhas.

Primeiro exemplo é o correto

 

BOCA
As mandíbulas são largas e quadradas; com seis incisivos alinhados regularmente entre os caninos. Os caninos são bem afastados. Os dentes são fortes e sólidos; não são visíveis quando a boca está fechada. De frente, a mandíbula inferior deve ser colocada sob a mandíbula superior, a qual é paralela.

 

PESCOÇO
De comprimento moderado (mais para curto que para longo), muito grosso, possante e forte em sua base. Seu perfil superior é convexo e possui abundante pele solta, grossa e enrugada na região da garganta, formando barbelas de cada lado, da mandíbula inferior ao peito.

 

ANTERIORES
Os ombros são largos, oblíquos e bem descidos, muito possantes e musculados, dando a impressão de terem sido acrescentados ao corpo. O peito é amplo e redondo e muito profundo, do topo do ombro à região do esterno onde se junta ao antepeito. Ele é bem descido entre os membros anteriores. Seu diâmetro é grande. Ele é redondo atrás dos membros anteriores e não é plano nos lados, as costelas são bem arredondadas. Os anteriores são muito fortes e sólidos, bem desenvolvidos, bem afastados, musculados e retos; apresentam um contorno encurvado mas seus ossos são fortes e retos e não arqueados ou tortos. Os anteriores são curtos se comparados com os posteriores mas não a ponto de fazer o dorso parecer longo ou prejudicar a movimentação do cão. Os cotovelos são baixos e bem afastados das costelas. Os metacarpos são curtos, retos e fortes.

Na parte superior, 1º exemplo correto
Na parte abaixo, 1º exemplo correto

 

CORPO
Peito largo, arredondado lateralmente, saliente e bem descido. Dorso curto e forte, largo nas espáduas e comparativamente mais estreito no lombo. O dorso apresenta um ligeiro declive logo atrás da cernelha (sua parte mais baixa), de onde a coluna vertebral se eleva até o lombo (cujo topo é mais alto que a cernelha) e depois se encurva de novo, mais bruscamente até a cauda, formando um arco (denominado dorso de carpa ou dorso carpeado) que é uma característica significativa da raça. Costelas bem arqueadas e voltadas para trás. O ventre é recolhido e não pendente.

 

POSTERIORES
Os posteriores são fortes e musculosos, proporcionalmente mais longos que os anteriores a fim de levantar o lombo. Os jarretes são levemente angulados, bem descidos. Os anteriores são longos e musculados do lombo aos jarretes. Em sua parte inferior são curtos, retos e fortes. Os joelhos são redondos e ligeiramente afastados do corpo. Os jarretes, em conseqüência, aproximam-se e os pés desviam-se para fora.

 

PÉS
Os pés são retos e voltados muito ligeiramente para fora, de tamanho médio e moderadamente redondos. Os pés posteriores são redondos e compactos. Os dedos, compactos e espessos, são bem separados, fazendo destacar as juntas que são altas.

CORRETAS - Patas de Gato (arredondado e fechado).
INCORRETAS - Dedos abertos e separados.
ATÍPICOS – Patas de Lebre (pés compridos).

 

CAUDA
Implantada baixo, a cauda é saliente, inicialmente reta, depois se inclina para baixo. Ela é redonda, lisa, desprovida de franja ou de pêlos ásperos. De comprimento moderado, mais para curta que para longa – espessa na base, vai-se afinando rapidamente até uma ponta fina. É portada baixa, sem curva nítida para o alto na extremidade. Jamais é portada sobre o dorso.

1. Cauda saca-rolhas – Admitida.
2. Cauda CORRETA.
3. Cauda com a colocação incorreta (inserção alta).
4. Cauda com o porte incorreto – CAUDA ALEGRE.

 

MOVIMENTAÇÃO
Andadura particularmente pesada e travada, parecendo que o cão marcha com pequenas passadas sobre a ponta dos pés, os pés posteriores não se elevando e parecendo arrastar no chão. Quando o cão corre, uma das espáduas está sempre bem avançada.

 

PELAGEM
De textura fina, curta, fechada e lisa. Aparenta ser dura apenas porque é curta e compacta (não é um pelo de arame ).

COR : Pelagem de cor sólida ou sólida com máscara ou focinho preto. Todas as cores são uniformes (que devem ser puras e brilhantes) : vermelho – em suas diferentes tonalidades, fulvo, fulvo claro, etc., rajado, branco, ou combinação de branco com qualquer uma das cores precedentes . As cores fígado, preto e preto com manchas castanhas ( “tan” ) são altamente indesejáveis. PESO : 25 kg (55 libras) para o macho e 22,7 kg (50 libras) para a fêmea.

FALTAS : Todo desvio com relação aos pontos precedentes deve ser considerado como falta, que será penalizada em função de sua gravidade.

N.B. : os machos devem ter dois testículos aparentemente normais e plenamente descidos na bolsa escrotal.

Veterinário Responsável
DR LEANDRO HENRIQUE OLIVEIRA
CRVM 15276